Globalfy

Q&A Gratuito: Como ter uma empresa nos EUA? 🇺🇸 Reserve seu horário aqui.

Cybersecurity nos EUA: entenda o mercado e as oportunidades do país

Descubra

Assim como em vários lugares do mundo, o tema cybersecurity nos EUA ganhou destaque durante a pandemia com o aumento dos cybercrimes. Algumas mudanças de comportamento contribuíram para isso, como a necessidade das empresas de proteger dados sensíveis quando seus funcionários passaram a trabalhar em regime de home office. Entenda melhor sobre o tema e o potencial desse mercado nos Estados Unidos! 

Cybersecurity é o termo usado para definir a área que se dedica a proteger sistemas, programas, dispositivos e informações no geral de ataques que podem levar ao vazamento de dados e informações. 

Esses ataques podem ser divididos em três categorias principais, que são os cybercrimes, motivados por ganhos financeiros, os cyber-attacks, que muitas vezes tem motivação política, com o objetivo de coletar informações, além de cyberterrorism, que busca causar pânico. 

Existem diversos caminhos para os cybercrimes acontecerem, alguns dos mais conhecidos são os Malwares – softwares maliciosos instalados sem a permissão do usuário-, SQL (structured language query), que assume o controle do dispositivo para roubar informações de uma base de dados, além de Phising, quando criminosos fingem ser de uma empresa conhecida pelo usuário e pedem informações sensíveis.  

Cyber Crimes nos EUA 

Durante a pandemia, houve um aumento considerável no número de cybercrimes. Em 2020, a Califórnia declarou que US$621.4 milhões foram perdidos em fraudes do tipo, logo em seguida vêm Nova Iorque, com o montante de US$415.8 milhões.

O estado de Delaware, inclusive, declarou que outubro é o mês da conscientização sobre Cybersecurity, uma ação para alertar a população sobre os riscos das fraudes que acontecem no ambiente virtual. Em seu comunicado oficial sobre a iniciativa, o governo afirma que especialistas da área alertaram para um aumento de 600% nos cybercrimes durante a pandemia. Os e-mails seriam a principal fonte de entrada para os criminosos.

Apesar do aumento expressivo durante a pandemia, esse já era um problema anterior ao período. Em 2019, nos Estados Unidos, ocorreram 664 vazamentos de dados na área de negócios, 525 no setor de saúde e assistência médica, 113 no educacional e 108 no bancário. Além de 100 vazamentos no governo e no setor militar.

Como as empresas são afetadas 

Com o crescimento dos crimes no ambiente virtual, a proteção de dados passou a ser uma preocupação também das pequenas e médias empresas, e não apenas das grandes corporações. 

Empresas menores se tornaram um alvo dos cybercrimes, já que os criminosos acreditam que há menos esforço e investimento para proteger seus dados sensíveis. Apesar disso, esses negócios já entendem a importância de contar com cybersecurity para garantir a segurança de suas informações, de clientes e parceiros. 

Um artigo publicado na Harvard Business Review dá quatro dicas de como empresas de médio porte podem responder a ataques cibernéticos. Confira a seguir! 

Estratégias de Cybersecurity para Startups 

De acordo com o autor, não é possível parar os ataques, mas sim responder de forma efetiva a eles.   

A primeira estratégia é em relação à equipe dedicada à segurança e sua capacidade de agir uma vez que o ataque foi identificado. Enquanto o invasor está estudando o que fazer a seguir, o time de cybersecurity pode agir e evitar maiores danos.  

A segunda diz respeito ao plano de ação em situações como essa. Os mecanismos de segurança da empresa devem dar avisos e parar um possível ataque até que a equipe possa agir e contra-atacar para impedir um vazamento de dados. 

Em terceiro lugar vem a cultura de segurança na empresa, que deve ser criada para que todos os funcionários entendam a importância da cybersecurity, além de como agir em determinadas situações que podem levar a um ataque cibernético.

Por último, a dica é olhar também para os fornecedores, uma vez que os criminosos passaram a buscar fragilidades em parceiros terceirizados para tentar encontrar uma maneira de invadir a database das empresas. Por isso, é importante entender o quão robusta é a segurança dos fornecedores. 

Empresas de Cybersecurity nos EUA

Com a pandemia e o aumento dos crimes cibernéticos, empresas de todos os tamanhos estão buscando formas de proteger seus dados sensíveis, o que traz mais oportunidades para negócios que oferecem serviços de cybersecurity.

Para 2021, a estimativa é que os cybercrimes causem um prejuízo de US$6 trilhões no mundo todo. No artigo da Harvard Business Review, o autor compara as perdas às maiores economias mundiais. Se medido como um país, os crimes cibernéticos estariam em terceiro lugar, logo depois de Estados Unidos e China. 

Os Estados Unidos, como a maior economia do mundo, seguem alerta para ameaças do tipo e, consequentemente, abrem espaço para empresas de tecnologia que trabalham na área. Nesta reportagem da CNBC, especialistas falam sobre a preocupação com os prejuízos que esses crimes podem causar até 2025. 

Com esse cenário, empresas brasileiras têm a oportunidade de se estabelecer em um mercado muito promissor, como dos Estados Unidos. Empresários da área podem dar início ao processo de abertura de empresa para atuar em território norte-americano e aproveitar suas oportunidades. 

Como abrir uma empresa de Cybersecurity nos EUA 

O processo de abertura de empresa nos Estados Unidos é simples e pode ser finalizado em até 20 dias. Além disso, não é preciso estar no país para isso. Conheça o passo a passo do processo de abertura de empresa nos EUA:  

  1. Escolha o nome da sua empresa e não deixe de conferir se ele está disponível no estado definido para o registro do seu negócio.
  2. Defina a categoria da sua empresa entre LLC e C CORP. Elas são similares aos modelos usados no Brasil, LTDA e S/A, respectivamente, e têm o objetivo de distinguir a pessoa física da jurídica. Porém, caso você tenha interesse em receber investimentos para sua empresa, a sugestão é que opte pela CORP. Entenda a diferença entre as duas.   
  3. Eleja um estado para registrar sua empresa. Empresários do ramo de tecnologia pensam logo na Califórnia, região que abriga o Vale do Silício, berço da tecnologia no país. Porém, estados como Delaware e Flórida oferecem algumas vantagens como impostos mais baixos. Conheça mais sobre esse tema.    
  4. Contrate um endereço virtual para receber correspondências importantes sobre sua empresa. 
  5. Faça a solicitação do EIN para iniciar sua operação. O Federal Employer Identification Number (EIN) é um número fornecido pelo Departamento de Receita do Governo Federal Americano – IRS (Internal Revenue Service) que permite o registro de todas as transações realizadas pela empresa e garante o pagamento dos impostos. 
  6. Abra uma conta em um banco norte-americano para realizar as transações da sua empresa. A conta também pode ser aberta remotamente. 

Para tirar dúvidas sobre a abertura da sua empresa de cybersecurity nos EUA, agende uma conversa gratuita com um de nossos especialistas. Clique aqui

Categorias

Descubra

Outros Conteúdos

Inscreva-se e receba nosso conteúdo exclusivo.

;